‘Na ditadura, fizemos uma festa incrível. Chegamos pra fazer o mesmo’, diz Baby — Brumado VerdadeBrumado Verdade ‘Na ditadura, fizemos uma festa incrível. Chegamos pra fazer o mesmo’, diz Baby — Brumado Verdade
MENU
Seja Bem-vindo! Hoje é Domingo, 18 de Fevereiro de 2018
Publicidade:
Publicidade:

Acessar
BLOG antigo


Nosso Whatsapp
77 99837-3618

‘Na ditadura, fizemos uma festa incrível. Chegamos pra fazer o mesmo’, diz Baby

16 maio 2016 | 0:12

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Após a apresentação que marcou um reencontro dos Novos Baianos após 17 anos (veja aqui), os integrantes da banda conversaram com a imprensa nos bastidores da Concha Acústica do TCA. Com um evento marcado por protestos políticos por conta do governo interino de Michel Temer e pela extinção do Ministério da Cultura, os artistas lembraram que começaram a se apresenta, em 1969, num período de ditadura militar. “O que a gente acha muito importante entender é que, assim como chegamos, no tempo da ditadura e fizemos uma festa incrível, nós chegamos novamente num momento que curiosamente, coincidentemente ou ‘deocidentemente’ [sic], nós chegamos pra falar ‘Brasil, esquentai vossos pandeiros. Porque nós vamos sambar’, disse Baby do Brasil. A cantora também afirmou que acredita que o momento seja, independentemente de opinião política, destacável pela mudança. “E olha, nós não temos que chiar nada.Não pedimos por grandes mudanças? Um Brasil novo? Estamos caminhando pra isso. As novas gerações estão aprendendo que vale a pena ser honesto e justo”, afirmou ela, sendo completada pelo companheiro de palco, Moraes Moreira.

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

“Num momento como esse, de polarização, eu acho que os Novos Baianos podem ajudar a unir os corações das pessoas”, disse o músico. Mais cedo, no início da coletiva, Baby tinha relembrado os momentos vividos juntos pela banda, que morou por 10 anos em “comunidade”, em um apartamento – como eles contam. “Nó vivemos juntos muitos anos, nós dividimos tudo. Desde sabonete até camiseta. Desde o dinheiro que a gente escondia atrás da porta no saco de pão (porque era ditadura e a gente não botava nada a vista); desde tudo que se aprendeu junto, desde quando transformamos o galinheiro no estúdio; desde que ficava Galvão picando palito de fósforo pra fazer música… É um momento, pra nós, de família”, destacou a mãe de Sarah Sheeva, Nana Shara, Krishna Baby, Kriptus Baby, Zabelê e Pedro Baby.